quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Eu apóio o MST

   Semana  passada o coletivo "Intervozes", publicou pesquisa  na qual constata-se que a mídia trata o MST sempre de forma pejorativa, o lançamento oficial do relatório, acontece hoje dia 24/08/2011, em Brasília, para quem conhece o comportamento da  nossa mídia venal, não é nenhuma novidade. 
   Nesta segunda-feira (22/08), o MST  ocupou novamente  terras griladas pela Cutrale, como aconteceu em 2009, na época a única coisa que a mídia achou relevante nessa  história, foi um trator destruindo pés de laranja  para que fosse plantado arroz e  feijão para os integrantes do movimento.
  Mas o que nunca se fala é que as terras utilizadas pela Cutrale,  são da União,  são terras públicas e  foram invadidas há muitos anos pela empresa, eles sim são os verdadeiros invasores. 
  Por que uma  família pode invadir terras públicas, plantar  laranja, extrair o suco,  exportar e  remeter parte dos seus lucros pra paraísos fiscais e milhares de famílias não podem plantar para seu sustento e  fornecer alimento mais barato pra população ou mesmo para merenda escolar? 
  O caso da fazenda no município de Iaras é apenas  mais entre tantos, existem os "amigos" do Quércia que invadiram terras da CESP  no Pontal do Paranapanema, mas a mídia só trata das "invasões"  dos "sem-terra". 
 Quem não se lembra da invasão e destruição das mudas de eucalipto no laboratório da Aracruz  ,  que as mulheres da Via Campesina fizeram?  E quem sabe o que representa a  cultura do eucalipto para o meio ambiente? Quem sabe que a Aracruz é uma transnacional que já foi condenada internacionalmente pela degradação ambiental? Que destruiu parte da mata atlântica,  que invadiu território indígena no Espírito Santo, expulsando os moradores e  responde na justiça por isso. 
 Ao contrário do que diz o "imprensalão", o MST  só ocupa terras que estão destinadas para a reforma agrária  e que por morosidade do Governo  não são distribuídas aos trabalhadores do campo, seja por incompetência ou pra proteger os interesses daqueles que financiam as campanhas eleitorais (a Cutrale financiou a campanha de 45 deputados paulistas). 
 Falando em eleição, na época da campanha é  comum vermos os candidatos do agronegócio atacando o MST, já foram instaladas  3 CPIs e nada foi comprovado, o sr Geraldo "Opus Dei" Alckmin, vivia dizendo na TV que o Governo Federal deu em 8 anos, 260 milhões de reais para que os "sem-terras"  invadissem propriedades privadas, mas nunca falou que o mesmo Governo (do Lula) destinou 25 vezes mais   recursos para o agronegócio, pra turma da CNA (Confederação Nacional do Agronegócio), que é presidida pela senadora Kátia Abreu, que disse em bom e alto som que pobre tem que comer comida com agrotóxico mesmo!     Quando a mídia vai falar que o brasileiro consome em média 5kg de agrotóxico por ano?  
 Por que a mídia criminaliza um movimento que recebe apoio de diversas personalidades, nacionais e internacionais? No ano passado o grupo "Rage Against the Machine", dedicou uma música em  seu show aos irmãos e irmãs do MST, em encontro com líderes do movimento o vocalista anunciou a doação de parte da arrecadação do show  ao grupo; coincidentemente na hora em que o guitarrista do RATM colocou o boné do MST a rede Globo (nenhuma novidade também) cortou a transmissão do show; por fim, no início deste mês a coalizão Comunidade Soberania Alimentar (Community Food Security Coalition-CFSC) escolheu o MST para receber o Terceiro Prêmio Anual de Soberania Alimentar, que será entregue  entre os dias 4 e 8 de novembro em Oakland, Califónia , EUA. 
  O Diretor Executivo da CFSC, Andrew Fisher, agradeceu ao MST pelo esforço de garantir a soberania alimentar brasileira e do mundo, em texto ele disse: “o MST foi escolhido para receber o prêmio devido ao excelente trabalho, promovendo soberania alimentar através da conscientização da população, ações em nível local, desenvolvendo e implementando programas e políticas; reconhecendo a importância de ações coletivas para que ocorram mudanças sociais; reconhecendo as conexões globais no trabalho de soberania alimentar e demonstrando claro reconhecimento da importância de mulheres nas questões de agricultura e alimentação”.
  Enquanto a mídia se ocupa de satanizar os movimentos sociais, parte de nossas terras estão sendo adquiridas por corporações internacionais, a reforma do Código Florestal segue a todo vapor no Senado e o agronegócio continua servindo alimento envenenado para população brasileira e recebendo verba do Governo Federal pra isso...
  
 Segue abaixo alguns links interessantes:

 Senadora Katia Abreu , sobre o consumo de veneno pela população pobre:


  
   Vocalista do RATM  declarando seu apoio  ao MST

      

   Página do MST: www.mst.org.br

  Documentário de Silvio Tendler, " O veneno está na mesa"


  

  

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

E o corruptor?

   Incrível  como a história se repete com os mesmos personagens de antes e tudo fica na mesma, a população reclama, faz beicinho, mas a manifestação fica por aí, dona Dilma vem atuando com coragem( faz de conta que é asssim..) e colocando pra correr aqueles que sempre mamaram nas tetas do Governo, não deveriam ter voltado, mas  foram impostos  por conta das alianças espúrias que precisou fazer, para tornar-se Presidenta.  A corrupção não é algo novo no nosso país, já começou na época da colonização e de lá pra cá  já  houve todo tipo de saque as  nossas riquezas, mas como já disse em outro post,  corrupção não é um processo unilateral, existe o  corrupto e o corruptor, este último tem mil faces  e milhões em dinheiro pra financiar campanhas eleitorais, e o país pode pegar fogo, podem prender todos os ministros, deputados, secretários e demais "aspones",  que o corruptor  nunca será importunado, no máximo irá prestar depoimento numa CPI, com perguntas amenas  feitas geralmente por quem ganhou as eleições as custas das suas doações.  Acabar com a corrupção é algo impossível, tem  em todo lugar, o que se deve fazer é combater a causa e não o efeito,  entendo que uma das raízes desse  processo é o  financiamento de campanha  eleitoral, ninguém faz doação pra político por questões  ideológicas, por acreditar  no jogo democrático,  quem dá milhões pra campanha de  determinado candidato  estará  esperando o retorno deste  "investimento", são inúmeros os casos de  grandes corporações que custearam a campanha de bancadas  inteiras de deputados, existe a  bancada dos planos de saúde, da construção civil, do agronegócio, das escolas particulares, dos bancos e por aí vai...Chega dar  ânsia, quando vejo alguns jornalistas posando de indignados  com toda a corrupção que estamos vendo, a população não viu antes  por que boa parte da imprensa  também recebe  uma boa grana, via publicidade, dos mesmos corruptores que bancam a campanha eleitoral dos políticos corruptos. Há  pouco tempo atrás, um acidente de helicoptero, acabou por revelar um dos bastidores desse processo todo, a tragédia ocorrida com parentes e amigos do governador Sérgio Cabral, trouxe a tona relações entre o Cabral, a construtora Delta e também o senhor Eike Batista, este último alegou que empresta o seu jatinho para quem bem entender, pois é pago com seu dinheiro e  ele não vive as custas do dinheiro  público ou coisa que o valha, tá...tá bom! O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) fez um levantamento das relações entre o governo do Rio de Janeiro e o senhor Eike, e descobriu que nos últimos 4 anos o  governo fluminense deu "incentivos fiscais"  na ordem de 75 milhões ao afortunado empresário ( um homem que aumentou seu patrimônio de  8 bilhões para 30 bilhões, em um ano, diante disso, o Palocci tem que ser julgado no "tribunal de pequenas causas"),  por uma estranha coincidência, o benemérito minerador doou pra campanha do senhor Cabral,  750 mil reais, ou seja,  1% do que ele ganhou de incentivos fiscais pra construir o super porto, obra que  está sendo questionada pelo Ministério Público Federal. E olha que nem estou falando dos leilões de exploração de petróleo, nas franjas do pré-sal, deu até pra comprar terno do Lula por 1 milhão de reais.  Ah, mas era por uma boa causa!! São vários exemplos como este país a fora, e eu digo a você caro leitor(a), cite-me o nome de 5 corruptores e diga o que aconteceu com eles.  Quando digo aos amigos que devemos ter financiamento público de campanha eleitoral, sou olhado como se tivesse xingado a mãe de todos eles, segundo me consta, a campanha de  2010, custou cerca de 3,3 bilhões de reais, faça as contas, sai muito mais barato, e os parlamentares não ficaram vinculados a nenhum segmento corporativo, basta olhar o  orçamento das obras da copa, seguramente já estão superfaturados em valores muito maiores que estes 3 bilhões. É claro que o financiamento de campanha, não é o único responsável por toda bandalheira que estamos vendo hoje e sempre, mas certamente é um componente de peso , boa parte dos casos de corrupção tem algo a ver com campanha eleitoral. Será que na reforma política, o financiamento público de campanha será aprovado? Será?