sexta-feira, 11 de novembro de 2011

A USP e a gestão Rodas

   O assunto da semana, foi a ocupação da USP por cerca de70 alunos, que segundo a mídia venal estão reinvindicando o seu direito de fumar maconha. O que me espanta é ver a população em geral  aceitar essa a maluquice, ninguém questiona por que os estudantes quase não são ouvidos, por que as emissoras de tv colhem depoimentos e não fazem a matéria. 
   Para um fato existem três versões: a minha, a sua e a verdadeira! Pelo que sei o DCE-USP não votou pela ocupação, foi um grupo independente que resolveu dar andamento a empreitada, o estopim foi talvez a prisão dos três estudantes que foram presos por fumar maconha, a maneira como a coisa foi feita é que gerou todo o processo, foi a gota d'água.
   Os problemas da USP agravaram-se com  a eleição do reitor João Grandino Rodas, que  ficou em segundo lugar na votação, porém foi nomeado pelo governador Serra, algo que não acontecia desde a época da ditadura militar, destaca-se que Rodas, foi colaborador do regime.
   Vejo nas redes socias toda a sorte de críticas aos "maconheiros" , como são chamados os que fazem a ocupação, existe no facebook um post que aparecem  três períodos de luta estudantil, em 64, no fora Collor e por fim os estudantes da USP,  no final lê-se que dos primeiros tem-se orgulho e dos últimos vergonha, mas o que ninguém percebe é  que os estudantes de hoje estão brigando para garantir o direito conquistado pela juventude de 64, a custa de muita  tortura, mortes e muitos ainda estão desaparecidos.
    A atual gestão é autoritária, não respeita e não promove a discussão democrática, as decisões  são todas de acordo com a conveniência  do senhor reitor.  Lembro que, a mesma mídia que hoje criminaliza os estudantes da USP , ridicularizando sua luta, é a mesma que na  época da ditadura chamavam aqueles que lutavam por liberdade, de baderneiros e posteriormente de terroristas. 
   O que está em jogo na questão da USP é a autonomia universitária, a qualidade da Universidade, seu papel perante a sociedade, seu regimento ainda de 1972, herança do regime militar, que precisa ser mudado, e Rodas utiliza-se desse regimento para perseguir e punir alunos e funcionários que ousam  questionar os desmandos deste tirano.
   Quando vi na tv o governador Alckmin falando em aula de democracia, fiquei perplexo com tamanho cinismo, quem é  esse senhor pra falar em democracia? Um filhote da ditadura, alguém que controla a Assembléia Legislativa e não permite que nada seja investigado,  são mais de 80 CPIs engavetadas pelo rolo compressor tucano! Fosse o governador um homem sério, destituia Rodas da reitoria, dado o rol de denúncias contra a sua administração e que estão sendo apuradas pelo ministério público.
    Embora não tenha feito graduação na USP, frequento-a desde 1993, fazendo diversos cursos de extensão e aperfeiçoamento, cursos estes que ficaram escassos nesta gestão, nesse período pude constatar como os tucanos destroem o que é bom em São Paulo, começaram pelas escolas públicas regulares, em seguida foi a vez das ETEs e agora vem deteriorando a maior universidade da América Latina. 
    A USP precisa ser devolvida a população paulista, abrir-se para a comunidade, socializar e aplicar o conhecimento nela produzido para o bem da população que a finanacia, e deixar de servir aos interesses de um grupo autoritário e sem mínima preocupação com a qualidade da educação. Sendo assim , fora com o reitor Rodas, entulho autoritário.
    Segue abaixo, trecho da entrevista do  Prof Luiz renato Martins, que embora tenha sido gravada por diversas emissoras ,  não foi levada ao ar. Essa é a nossa mídia!!!